You are currently browsing the monthly archive for outubro 2012.

Olá!

Este blog mudou para: www.ianalua.blogspot.com

Desculpa o incômodo, mas estava insatisfeita com a qualidade das imagens no WordPress…

Vejo você por lá!

:)

Anúncios

Faz um mês e meio que chegamos à Inglaterra, mas essa é a primeira semana que me sinto realmente morando aqui.

Antes parecia uma viagem a trabalho – tínhamos hora pra acordar, compromissos, prazos e problemas. Quase não sobrava tempo pra conhecer a cidade e relaxar. Alternávamos entre imobiliárias, bancos, concessionárias, seguradoras e escolas. Lidávamos com assuntos complicados, em uma língua que não é a nossa e num país com costumes diferentes.

Como meus pais ainda não se viram no inglês, tive que ser a porta-voz da família. Foi um estágio pra vida. Aprendi tudo o que é importante na hora de escolher uma boa casa, comprar um carro, abrir conta no banco,  fazer um seguro, decidir por uma escola e assinar um contrato.

Descobri que por mais preparado que se esteja, nem sempre tudo sai como planejado.  Tivemos muita dificuldade em transferir dinheiro do Brasil pra cá simplesmente porque o sistema caia ou era feriado em algum lugar do mundo.

Me frustrei a perdi a paciência mais vezes do que gostaria. Chorei de cansaço, de saudades, de raiva. Tive a ponto de desistir. Mas daí, mesmo naqueles dias em que tudo estava dando errado, meu pai fazia uma palhaçada e minha mãe começava a cantar. E eu sabia que tudo ia ficar bem. :)

– A gente não fica com outras pessoas, né?

Foi com essa pergunta que, há exatamente sete anos atrás, começamos nossa vida oficialmente juntos.

– Eu não fico. – respondi.

E como ficaria? Todos os espaços da minha cabeça e coração já estavam ocupados por você…  A pergunta parecia boba, mas meu estômago revirou de excitação diante do que poderia significar. Não era um pedido de namoro – era a confirmação de que estávamos na mesma sintonia, o passe livre pra se entregar, o marco de uma nova fase.

Às vezes me questiono se aos 17 anos já sabia a dimensão do que estava vivendo. Talvez não, mas havia sinais. O jeito como queimava por dentro quando nossos olhos se encontravam. O arrepio que subia quando seu dedo encostava no meu. A vontade de ir até a lua quando você sorria pra mim. Os sinais mudaram, mas ainda estão aqui. Hoje com um olhar eu sei o que está sentindo, com um toque sei que me ama, e com um sorriso sei que estamos juntos nessa.

– E você? Fica? – perguntei.

– Também não. – respondeu aquele que há sete anos é meu melhor companheiro, meu melhor amante e meu melhor amigo.

Anúncios

Categorias

coloque seu endreço de e-mail aqui e receba os posts na sua caixa de entrada

Junte-se a 10 outros seguidores